Resenha: O grande Gatsby


Sem palavras, é assim que me sinto todas as vezes que vou falar sobre essa obra da literatura. O Grande Gatsby foi um livro que coloquei na minha lista assim por acaso, eu confesso que da primeira vez que li eu não me conectei totalmente com a história mas daí decidir ler novamente, e depois dessa re-lida eu me apaixonei.
O protagonista desta história é um homem muito elegante,Jay Gatsby, anfitrião de festas misteriosas que dá em sua mansão em Long Island. A história é narrada por Nick Carraway, que vai para Nova York para trabalhar como corretor de títulos, ele mora em uma casa simples ao lado da mansão de Gatsby, e durante várias noites observa as festas extravagantes da casa ao lado.
Nick é primo da Daisy, a paixão de Gatsby, e mulher do ganancioso Tom Buchanan, e vivem em uma mansão do outro lado de Long Island, junto com a fiel amiga e golfista famosa Jordan Baker. Como todo clássico, o livro trás uma crítica a sociedade da época, retratada nos anos 20. Naquela época tudo era muito superficial e fútil, o que importava era o dinheiro, casamentos por interesse, festas enormes, posição na sociedade... e é nesse ambiente que vivem os personagens dessa história.

Gatsby é um homem que tenta re-conquistar Daisy através do dinheiro e poder, porém é um homem muito triste e solitário, acho que essas foram uma das coisas que mais me encantaram nele, ele é ingênuo e simples, apesar de toda a riqueza e luxo, eu senti que ele gostaria de ter muito mais que tudo aquilo, ele queria o amor.

Daisy me irrita profundamente, de acordo com as descrições de Fitzgerald ela é muito bonita e de um rosto angelical, porém é fútil e cega pelo o dinheiro. Tom é outro que não gosto, mas acho que ele foi escrito para ser odiado mesmo, ele é ganancioso, esnobe e preconceituoso.

Meu personagem preferido antes de Gatsby é Nick, ele é um personagem simples, que poderia passar despercebido pela a história mas ganhou vida nas mãos do Scott Fitzgerald, sendo não só um narrador mas um observador. Já li que o Nick é uma imagem do autor, e acredito muito nisso, até porque na minha edição, eles falam que muitos personagens masculinos dos livros do Scott, tem um pouco dele.

Um dos motivos de ''O grande Gatsby'' ser o meu livro preferido, é a forma com que o Scott consegue descrever características, personalidades e sentimentos, cada vez que leio os meus trechos preferidos me encanto mais ainda, acredito que seja por isso que a obra tenha sido traduzida e vendida por todo mundo mesmo depois de 100 anos. O livro conta com uma crítica social muito bem escrita, e simplificada com um lindo romance. Para mim ''O grande Gatsby'' é poesia, cada trecho me sensibiliza de uma forma inexplicável, um belo clássico, uma obra, recomendo muito.

“Eu estava ao mesmo tempo dentro e fora, encantado e repelido pela variedade inesgotável da vida.”


Paz,
Lua.